Lâmpada de LED | Você sabia que a vida útil do LED pode chegar a 50 mil horas?

Você sabia que a vida útil do LED pode chegar a 50 mil horas?

Quando lemos em uma embalagem de um produto de iluminação LED que sua vida útil é de 25 mil horas, o que isso quer dizer, exatamente? As avaliações e testes feitos com a tecnologia LED, não preveem a queima repentina, portanto, a vida útil do LED está, na verdade, relacionada à perda de luminosidade.

Uma das características dos diodos emissores de luz é perder energia luminosa com o passar do tempo. Conforme essas milhares de horas descritas na embalagem passam, as lâmpadas iluminam cada vez menos. Nos parâmetros atuais, um produto LED continua apto para uso enquanto mantiver 70% da sua capacidade inicial.

No LED, não é prevista a queima repentina

Provavelmente, você já ouviu dizer que lâmpadas de LED não queimam. Essa é uma discussão que envolve fatores como a qualidade dos componentes eletrônicos e a instalação correta do produto.

Mas o fato é que, para o LED, não é prevista a queima repentina — denominada falha catastrófica —, apenas o escurecimento lento com o passar do tempo, que é causado pela degradação dos componentes. Ou seja, além de não queimar, o fluxo luminoso precisa ser mantido em alto nível por bastante tempo. É isso que faz com que a vida útil do LED seja alta.

Esse é o propósito principal do LED: aumentar consideravelmente a vida útil da iluminação artificial. Esse aumento pode chegar a 50 mil e até 100 mil horas. O desenvolvimento dessa tecnologia surgiu na engenharia como uma alternativa para reduzir o consumo de energia na geração de luz.

Como é medida a vida útil do LED

O procedimento de testes das luminárias e lâmpadas de LED é determinado pela LM-80, um padrão internacional para a medição de manutenção de lúmens. Com base nesses parâmetros, é verificada a perda de luminosidade de uma fonte de luz. No Brasil, os testes do Inmetro são realizados de acordo com essas especificações.

Além do escurecimento dos LEDs, o LM-80 também possui especificações a respeito da manutenção da cromaticidade.

Para determinar a vida útil do LED, os testes são realizados por, no mínimo, 6 mil horas e podem chegar até 10 mil horas, sempre sob condições controladas. A cada mil horas, são feitas as medições de parâmetros ópticos e elétricos, como tensão, fluxo luminoso e variação da cor da luz. Com os resultados desse procedimento, é possível padronizar e comparar os produtos de todos os fabricantes.

A vida útil e o padrão L70

Com base no relatório LM-80, é determinada a “vida de manutenção de fluxo luminoso nominal”, ou padrão L. Ele informa em quantos porcento o fluxo luminoso vai diminuir em determinado período de tempo. O Inmetro, por exemplo, utiliza o L70. Isso quer dizer que, passado o período de tempo determinado pela fabricante (exemplo: 25 mil horas), a lâmpada terá apenas 70% dos lumens iniciais.

Tomando como exemplo uma lâmpada de 100 lm e 50.000 h, ao final de todas essas horas, os LEDs deverão ter, no mínimo, um fluxo luminoso de 70 lumens.

No LED, a qualidade é fundamental

A iluminação LED surgiu com o objetivo de ser extremamente eficiente e ecologicamente sustentável. Um bom produto precisa estar de acordo com as especificações da embalagem e, principalmente, dentro dos padrões determinados. O Studio PD LED trabalha com perfis de LED de alta qualidade. Conheça nosso trabalho: http://pdled.trgbr.com/siteantigo/.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *